O que é compliance e qual sua relação com a segurança da informação? Entenda!

O que é compliance e qual sua relação com a segurança da informação? Entenda!

Powered by Rock Convert

A informação é crucial para o sucesso de qualquer organização. Se ela não for protegida da maneira correta, pode cair em mãos erradas e gerar perdas de competitividade ou até de resultados. Em um ambiente com cada vez mais tecnologia, a segurança da informação tem que estar entre as prioridades.

Nesse cenário, é recomendado se preocupar com alguns aspectos e meios para se obter tal efeito. O compliance surge entre as estratégias que devem ser executadas. Graças a tal abordagem, é possível evitar fraudes e perdas em diferentes níveis.

A seguir, entenda a sua relação com a segurança da informação e descubra como fortalecer a proteção nesse sentido.

O que é compliance?

Sem tradução para o português, o termo compliance refere-se ao alinhamento com as regras para determinada atividade. Ele é executado tanto de forma interna quanto externa, de modo que a organização se mantenha dentro das obrigações.

De maneira interna, compliance tem a ver com a atuação de acordo com ordens previstas para a organização. Isso significa obedecer ao código de conduta ou às regras para cada setor.

Já de forma externa, a abordagem está ligada ao cumprimento de legislações específicas. Dependendo da área de atuação, uma organização tem que atender a certas obrigações legais. Ao garantir a conformidade em relação a todas as exigências, há proteção em diversos níveis.

Qual é a relação de compliance com a segurança da informação?

Em ambientes cada vez mais informatizados é crescente a preocupação com a segurança da informação. Há riscos de vazamentos, fraudes e interceptações indevidas, as quais podem colocar em risco toda a organização.

Adotar medidas de compliance diminui as chances de falhas acontecerem. Acima de tudo, é um jeito de garantir a proteção dos dados, dentro do que prevê a lei.

Órgãos públicos, por exemplo, têm que tomar cuidado com o tratamento de certas informações. De acordo com a Norma Complementar nº 14/IN01/DSIC/GSIPR1, os sistemas devem ter datacenters em solo brasileiro e elementos classificados não podem seguir para a nuvem. Adotar as medidas de compliance é um jeito de garantir a obediência à legislação, de modo a evitar problemas no futuro.

Também está relacionado a cumprir medidas de proteção criadas de forma individual. Cada setor ou organização pode determinar certas ações para proteger os dados. Com o alinhamento a essas exigências, a proteção é favorecida.

Qual é o papel da TI e do gerente da área?

Para garantir o casamento perfeito entre compliance e segurança da informação, o setor de TI deve ser muito bem estruturado. É preciso criar fluxos claros, bem como estabelecer procedimentos e escolher os melhores fornecedores. Tudo tem que ser feito de modo planejado e sincronizado para garantir o cumprimento das obrigações previstas.

Diante desse cenário, o papel do gerente de TI é crucial. Ele é o principal responsável por reconhecer as necessidades, os gargalos e os pontos de atenção sobre a segurança da informação. A partir desses elementos, têm que ser especificadas regras para o uso adequado dos recursos tecnológicos.

Também é papel do gerente conhecer a legislação aplicável à organização. Todos os aspectos devem ser seguidos e atendidos, pois somente assim há a obtenção de compliance de forma completa.

Como elaborar uma estratégia de compliance de segurança da informação?

Para fazer a implementação dessa abordagem, é essencial executar alguns passos. Isso garante a boa estruturação da atuação, além dos resultados esperados em relação à proteção. A seguir, descubra como planejar e colocar em prática a estratégia de compliance da melhor maneira.

Identifique e analise os riscos

Em primeiro lugar, é essencial conhecer quais são os pontos que demandam o maior nível de atenção. Em uma organização, nem todo setor lida com dados sensíveis ou tem tanta adoção de tecnologia. Portanto, é preciso começar a identificar quais são os riscos e onde eles estão.

Depois, eles devem ser classificados quanto à relevância e aos impactos que podem causar. Aqueles com possíveis efeitos catastróficos ganham prioridade, de modo a garantir uma estruturação que segue as regras da melhor maneira.

Reconheça as obrigações legais

É impossível adotar uma boa gestão de compliance sem reconhecer quais são as obrigações legais. Como dito, cada organização tem legislações específicas, as quais devem ser seguidas dentro de certos níveis.

É função do gerente de TI conhecer os aspectos legais e as principais obrigatoriedades. As ações precisam ser planejadas a partir desse ponto, de modo que as melhorias não entrem em conflito com o que determina a legislação.

Analise outros direcionadores e controles

Os direcionadores são os elementos que definem como deve ser a política em relação à segurança da informação. O compliance só é obtido quando todos esses aspectos são obedecidos.

Ao identificar a legislação cabível para cada caso, há a identificação dos direcionadores legais. Porém, ainda há outras questões, como as exigências de mercado ou as regras previstas para a organização, de modo específico. O código de conduta varia para cada uma, então é um organizador relevante.

Essas obrigações dão origem aos controles. Se certas informações não devem ser tratadas na nuvem, é importante definir controles para o uso adequado da tecnologia. É essencial estabelecer os gatilhos, bem como as proibições e medidas que precisam ser observadas.

Estabeleça fluxos adequados de atuação

Para garantir a segurança da informação, é preciso ter uma arquitetura bem planejada. Os fluxos de dados devem ser previstos do jeito adequado e medidas precisam ser estipuladas.

Como os dados na nuvem de uma organização pública têm que contar com datacenter no Brasil, eles não podem passar por serviços que desobedeçam à regra. Então, é preciso adotar medidas que garantam o cumprimento de aspectos específicos.

Também é possível planejar outros fluxos, como uma rotina de backup, uma de recuperação de falhas e regras para o uso de dispositivos pessoais.

Acompanhe e otimize o nível de compliance

Como as tecnologias — e as ameaças — estão em constante evolução, garantir compliance quanto à segurança da informação é um processo contínuo. Porisso, deve ser medido, acompanhado e otimizado. Então, o ideal é definir um nível inicial, fazer a sua análise e trabalhar em sua melhoria contínua

Os valores precisam ser compartilhados na gestão e os pontos de melhoria, identificados. A partir de ações específicas sobre o que ainda deve ser otimizado, é possível obter resultados cada vez melhores.

Elaborar uma estratégia de compliance ajuda a garantir a segurança da informação de modo ininterrupto. Desde que ela seja executada da forma certa, é possível conquistar bons níveis de proteção, evitando ataques e perdas de dados.

Já que a proteção está em pauta, entenda a relação entre cibersegurança e ransomware e saiba como se proteger.

Powered by Rock Convert