tecnology

Palavra de Especialista: o tema é Transformação Digital no Setor Público

 

Quando o assunto é Transformação Digital muitas dúvidas ainda pairam no ar. Para ajudar nossos leitores, conversamos com quem entende do assunto.

Acompanhe a entrevista com Ricardo Costa para entender o que é a transformação digital, quais são os seus benefícios e como ela acontece no setor público.

 

foto_ricardoEntrevista com Ricardo Costa
Dell EMC – Partner CTO, Latin America

 

O que é a transformação digital?

A exemplo de outros termos que são falados no mercado, existe muita confusão sobre o que é transformação digital pois as pessoas confundem muito as palavras, inclusive a própria mídia e os fabricantes também fazem essa confusão.

É óbvio que, como todo termo novo, não existe um consenso sobre o que isso quer dizer. Acaba que isso gera muito confusão, muitos entendimentos distorcidos, assim como ocorreu com outras tecnologias e outras “palavrinhas mágicas” que surgem no mercado — big data e IoT (Internet of Things) são exemplos disso.

A transformação digital é muito “olhada” do ponto de vista tecnológico, ou seja, todo gestor de TI e também os consumidores acabam olhando para esse termo como: “Eu vou digitalizar alguma coisa, algo que estava em papel, eu vou passar para o meio digital e, com isso, estou transformando digitalmente a minha empresa”. Ou então, eles acreditam que a transformação digital se resume a adoção de tecnologias específicas. Mas não é bem assim.

A verdade é que a transformação digital vai muito além da tecnologia. Ela diz respeito à criação de um novo modelo de negócio. Não é digitalizar um processo existente, mas sim criar um novo modelo de negócio fazendo uso de meios digitais.

Não dá pra pensar no Uber como um táxi digitalizado. Não dá pensar no Airbnb como uma rede de hotéis digitalizada.

A mecânica toda muda, pois é um novo modelo de negócio. Então, a transformação digital acaba criando uma certa confusão, pois se entende que a transformação digital é a tecnologia que acaba ficando unicamente na mão do gestor de TI, porém o gestor de TI é apenas um dos braços da transformação. A transformação digital inclui pessoas, processos e tecnologia. Não vai adiantar nada se a tecnologia for a mais moderna do mundo, mas o processo continua ruim e as pessoas não adotam um novo modelo de trabalho.

Essa é a grande confusão que surge. E isso acontece tanto no mercado público como nas empresas privadas. É uma confusão muito grande no mercado como um todo.

Resumindo, a transformação digital é a criação de um novo modelo de negócio utilizando meios digitais. E isso acaba implicando em ‘n’ coisas, tanto no mercado privado como também no mundo público. Afinal, no mundo público existe uma quantidade absurda de oportunidades e de frentes de negócios que poderiam ser completamente reformulados com a transformação digital e que seria benéfico para todos os envolvidos.

 

Você pode dar exemplos específicos sobre a diferença entre digitalização e transformação digital?

Uma coisa é pegar um papel e transformá-lo em digital, um arquivo. Outra coisa é você criar um documento digital, como já existe no Brasil, como a CNH e título de eleitor. Isso é digital.

Mas qual é o processo em torno desse documento digital que foi modificado? Ou simplesmente eu peguei uma coisa em papel e “transformei em uma tela”?

Ter o documento em um celular é uma coisa, agora o que eu posso fazer a partir desse documento no celular? Será que poderia autenticar documentos? Será que eu preciso ir ao cartório? Será que eu poderia fazer um check-in automático em uma companhia aérea?

Enfim, o processo precisa ser digital.

Não é simplesmente ter uma “coisa” digitalizada. É essa a linha tênue que gera muita confusão em torno da transformação digital. E aí acaba que, como toda a tática de Marketing, você acaba chamando as coisas da maneira que lhe convém.

Então, falar que ter um documento digital é transformação digital: Ok, quem vai ser contra? Afinal, não existe uma definição fechada no dicionário Aurélio para isso, não é mesmo? Cada um chama do jeito que quer.

Porém, no fundo, se o processo de negócio não mudou, a empresa não teve uma transformação digital. E ela não é uma coisa que acontece uma vez, ela é contínua.

 

Então, podemos dizer que a transformação digital tem o papel de “desburocratizar” os processos no setor público?

Não dá para dizer que a transformação digital é “para isso” ou “para aquilo”.

A pergunta tem que começar pelo processo que você quer resolver. Qual é o problema? A partir do problema que você quer resolver, você vai ditar qual é o resultado que vai ser atingido.

Então, em algumas situações pode ocorrer desburocratização. Em outras situações, pode se tirar intermediários, diminuir camadas de decisão, diminuir etapas para que o processo seja concluído.

Por exemplo: no mundo de cartórios, fiz uma simples compra de imóvel. A quantidade de certidões, de carimbos, de setores que é preciso consultar ou pegar uma documentação para acontecer a compra fazem dessa uma tarefa árdua. Existe sim uma burocracia, mas não é simplesmente a burocracia, pois existem muitas etapas, são muitas áreas e muitos intermediários dentro de um processo. Com a capacidade da tecnologia, não se faz mais tanto sentido isso acontecer.

Sendo assim, em alguns setores vai ser para desburocratizar mesmo. Para outros, vai ser para tirar intermediários, enquanto para outros seria criar algo completamente novo. Então, é difícil colocar uma palavra só: “vamos desburocratizar”. Desburocratizar não é sinônimo de tecnologia, pois é possível desburocratizar sem tecnologia.

 

O governo tem buscado incentivar a transformação digital no país?

Uma pergunta que muitos podem ter na cabeça é de que “nossa, com tantos problemas políticas, econômicos e sociais no Brasil, essa questão de transformação digital é coisa para primeiro mundo, aqui não deve estar acontecendo nada.” E essa é uma percepção completamente errada.

Paradoxalmente, quando a gente olha para o governo brasileiro, devido a todos os problemas que temos, existem muitos órgãos e muitas ações sendo tomadas para um plano de transformação digital do Brasil sem a gente saber.

Por exemplo: tivemos recentemente um decreto presidencial criando o SinDigital, que é o Sistema Nacional de Transformação Digital, que vai ficar dentro da Casa Civil. Existe também o E-Digital, que é a estratégia brasileira para a transformação digital, que vai ficar ligado com o Ministério da Ciência e Tecnologia. Existe ainda um Comitê Interministerial para a Transformação Digital, que une cinco Ministérios com a Casa Civil. E ali foi criada toda uma consulta pública e foram entendidos os pilares para essa transformação, em que entra infraestrutura — pois é preciso melhorar a infraestrutura de telecomunicações no país porque sem isso não existe a transformação digital, ou seja, as pessoas não se conectam e a “coisa” não acontece — tem o âmbito da educação — não só se fala de tecnologias ou processos novos na área de educação, como também o próprio plano de educação em si, que tipo de conteúdo a gente tem que ter nas escolas para preparar as crianças e os jovens para um mundo que vai ser cada vez mais digital? Será que eles também tem que aprender da mesma forma de 50 anos atrás ou tem que reformular tudo? Tem a questão de Ministério da Fazenda, Ministério do Planejamento — como que eu posso ser mais transparente com o  cidadão, como é possível tirar intermediários da comunicação? Como é possível ter mais dados abertos à população para que os setores privados possam contribuir com o mundo público criando, por exemplo, o que se chama de empreendedorismo social, as empresas que podem visar lucro ou não, mas onde o core business é resolver um problema social.

Agora, sem dados, sem inteligência, dificilmente é será possível progredir nisso. Então, quando a gente olha no Governo como um todo, vemos muito esforço, muita consulta pública e muito planejamento sobre o que é esse plano do Brasil do século XXI no mundo da transformação digital.

Em termos de ações, você tem ações que são isoladas, mas é um início.

Tenho notícias de vários veículos de, por exemplo, órgãos como o Ministério Público de alguns estados do Brasil começando a utilizar inteligência artificial e o machine learning. Existem setores que estão organizando maratonas de hacking — ou maratonas de programação — com o setor privado e universidades para tentar resolver problemas de negócios por meio da tecnologia digital.

Então, essa visão de que o Brasil não está fazendo nada não é bem assim. Pelo contrário, eu acho que tem muita discussão, muito planejamento, e isso está se estruturando bem.

O que fica em dúvida é se isso se tornou realmente um plano para o país ou se é somente um projeto de governo. Será que esse esforço vai continuar no próximo governo? Essa é a grande dúvida que todo mundo tem e isso gira em torno dos problemas que a gente sabe que existem, como a credibilidade do governo, governabilidade, denúncias de corrupção, etc. Todos esses problemas em torno do governo acabam afastando muitas mudanças.

Assim, o setor privado acaba se afastando um pouco disso também. E a percepção geral das pessoas é que não está acontecendo nada, mas sim, está acontecendo. Só que a quantidade de problemas que são noticiados não dão espaço para se falar das coisas bacanas que o governo tem feito.

Então, estas são algumas ações do governo sobre transformação digital:

  • E-Digital (Estratégia Nacional para Transformação Digital), no Ministério da Ciência e Tecnologia
  • SinDigital (Sistema Nacional para a Transformação Digital), ligado à Casa Civil
  • CITDigital (Comitê Interministerial para Transformação Digital), unindo 5 ministérios e Casa Civil

 

A transformação digital pode ajudar a movimentar a economia? Por quê?

Tem duas frentes nesse papo. Existe uma turma que olha para essa transformação digital da forma negativa, com medo de que ela vai causar desemprego. E é fato. A gente sabe que muitas das transformações vão colocar algumas profissões em perigo. Não vai ser uma coisa que vai acontecer do dia para a noite, é claro. E nem vai acontecer em todos os lugares ao mesmo tempo. Mas é fato que, com a tecnologia crescendo e os processos sendo digitalizados, novos modelos de negócio surgindo, alguns setores e profissões vão, eventualmente, morrer.

Assim como aconteceu há vários anos, desde a revolução industrial. Centenas de profissões morreram, mas também foram criadas outras milhares. A gente tem essa visão sobre como a transformação digital vai impactar empregos.

Por outro lado, a gente sabe que a transformação digital vai também criar novas frentes de negócio. Se você pensar na quantidade de horas e os custos que uma empresa gasta junto ao governo para se manter em conformidade com o regime tributário ou quantidade de horas e carga de trabalho do próprio governo para lidar com os seus processos. Esse é um trabalho que pode perfeitamente ser automatizado, pode ser modernizado na transformação digital.

E, ora, seja o gestor de TI, seja o cidadão, seja um gestor público, eu acho que todo mundo tem em mente o seguinte: “eu quero as coisas mais fáceis, mais rápidas e quero agora”. A transformação digital vem muito nesse aspecto.

Então, para a economia, isso é legal porque você começa a criar outras possibilidades de negócios que não existiam antes, você começa a modernizar setores da economia que hoje estão com um entrave muito grande devido à falta de tecnologia. Contar com processos muito antiquados, você conseguir modernizar isso e se tornar mais competitivo e criar mais empregos, criar mais mercados, gerar mais receita. A economia tem muito a se beneficiar e, aliás, não tem nada para se prejudicar com qualquer tipo de mudança tecnológica.

A grande chave que eu vejo no governo — e isso é uma discussão que acontece muito — é a questão das cidades digitais.

Não é simplesmente você olhar para o cartório, mas também olhar para a segurança, comunicação, educação e todos os processos de relacionamento entre cidadão e governo que precisa dessa transformação digital.

Eu já vi em algum material a figura do prefeito da cidade falando: “se você tiver que vir à prefeitura para resolver algo, nós falhamos”.

O interessante é que, independentemente do presidente, está havendo todo esse trabalho da criação desses sistemas nacionais, das estratégias nacionais de transformação digital e está vindo muitas consultas públicas que vem dos ministérios, secretarias e órgãos, tanto privado quanto público, acho que é aí que está a grande jogada. Acho que a saída não é a gente colocar uma expectativa muito grande no presidente como sendo o agente dessa transformação. Eu, pessoalmente, acho isso errado.

Gostaria de acrescentar alguma informação que considera relevante para esse assunto?

Acho que mostramos que existe uma agenda no Estado para se transformar digitalmente alguns processos e melhorar o relacionamento com os cidadãos e entre os órgãos públicos.

O segundo ponto importante é que, para o mundo público, esse tema das digital cities (cidades digitais) ou smart cities (cidades inteligentes) talvez seja o tema mais forte, pois mexe na vida do cidadão como um todo. Isso envolve todas as pastas de governo possíveis.

Outra coisa que é importante frisar é que transformação digital não é sobre tecnologia, ela é uma mudança de modelo de negócio, utilizando meios digitais. A tecnologia é um pilar forte, é um requerimento, sem ela a transformação digital não ocorre, mas a tecnologia sozinha não vai fazer nada.

Resumindo, os pontos mais importantes são os seguintes:

  • Transformaçāo Digital não é sobre tecnologia: é sobre criar novos modelos de negócio, usando meios digitais;
  • Governos Digitais ajudam a promover empreendedorismo social, com a iniciativa privada auxiliando na solução de problemas sociais;
  • Há vários órgãos públicos já promovendo transformações digitais, ou pelo menos explorando idéias, principalmente em Artificial Intelligence e IoT (como a Receita Federal, o Ministério Público e outros);
  • Esse é um tema desafiador no mundo todo e não apenas no Brasil. Apesar do pouco espaço na mídia (devido a toda a turbulência política atual), o Brasil não está parado.

 

O Blog da CPD Informática já abordou o tema Transformação Digital. Clique aqui e acesse.

 

Banner_Client 03